sábado, 4 de junho de 2016

O universo é Deus



O humor é a maré:
Alta, agitada, baixa,
Às vezes quase seca...
Os afetos as ondas:
Marolas, tsunamis...
Ao encontro das rochas de personalidade.
Já as cores deste espetáculo
São nossas emoções, intensas.
E o sentimento?
Ah, o sentimento...
É o reflexo disso tudo, no céu,
Morada da razão.

domingo, 1 de junho de 2014

Linguagem


O self fala.
A fala precisa de um discurso para se realizar,
Que se estrutura influenciado pelas estruturas vigentes;
Que é móvel e com pontos de rigidez variável.

Desvios do curso;
A forma original é transfigurada.
Pelo sujeito deságua como onda,
Ao encontro do "outro".

A expressão já é efeito
E dependente da impressão.
O enxergar da causa só existe
Quando os prismas estão limpos.

terça-feira, 27 de maio de 2014

Razão Áurea


Onde a divisão do todo pela parte
É igual à desta pela que sobrou,
Encontra-se a porta do infinito.

Perfeita proporção,
Origem da harmonia,
Por onde o universo se desenrola.

Mãos, pétalas, ramos...
Pentágonos, conchas, furacões.
Da espiral das galáxias ao DNA
A onipresença é revelada.

sábado, 10 de maio de 2014

quarta-feira, 7 de maio de 2014

Pensamento


Neurônios se agrupam,
Estradas se formam.
Quanto mais largas,
Menos destrutíveis.

A árvore cresce,
Galhos esparramam.
Quanto mais tempo,
Mais rígidos ficam.

Novos crescimentos exigem foco.
Brotos pequenos quebram ao vento;
Ruas estreitas não permitem o fluxo.

O inconsciente nada disso sabe.
A corrente passa por onde é mais fácil;
Cabe à consciência a orientação.

A atenção é o que direciona,
Com facilidade em águas calmas,
Mas desafiada na tempestade.

O consciente, parte mínima da equação,
É tão tendenciado que nem percebe.
O pensamento trabalha em vício.

quinta-feira, 3 de abril de 2014


É engraçado
O que sinto ao seu lado, abraçado.
Um calor envolvente,
Um beijo quente, entrelaçado.

Meu corpo junto ao seu,
As mãos o percorre, delineando.
Uma troca fluida,
Em seu enlaço sou teu.
Sinto, estou amando.

Sua risada, sua existência,
Traz em mim uma paz,
Alimenta minha consciência.

Eu quero assim,
Sempre ao seu lado,
Sempre a fim,
Sempre grudado.


sexta-feira, 21 de março de 2014

a distância do comum:
visão aberta.

ao ver cada concentração de causa falha,
o espírito se debate e se fecha,
e na quietude abre novamente;
ciclo aparentemente infindável.

são poucos, mas potentes muitos,
que nadam no mesmo oceano.

mar de membranas, lençóis inefáveis...
ao se questionar criam-se bordas
e em pontos os transformam,
que voltam a concentrar...

ciclo infinito.

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

Horizonte


Te amo como um pássaro
Que contempla o infinito do horizonte.
Você é meu horizonte,
Meu sempre ter onde olhar,
Meu refúgio.

Vem...
Vamos nos reinventar,
Em nosso lugar comum,
Nossa atmosfera.
Nessa troca incomum
Que só existe entre nós.

Minha inspiração sem fim,
Meu contexto,
Meu assunto.

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

As pessoas tem medo da verdade,
Querem como todos a querem...
Mas por ter sabor amargo
É rapidamente recalcada.

Já eu, a chuto pro alto,
Abraço a podridão,
Respiro seu éter,
Procuro a resposta.

A desgraça interna
É a mesma imensidão externa.
A beleza
Só é vista através da dor.

segunda-feira, 11 de novembro de 2013

O centro


O olho do furacão,
O buraco negro,
O redemoinho do ralo,
O botão da flor,
O vazio da origem,
O nada

No centro não há movimento,
Mas todo o redor se move.
Exatamente no meio
Tudo se observa sem distrações;
Nada distorce.
Enfim, se enxerga.

quinta-feira, 3 de outubro de 2013

Incapacidade


O vapor
A chama

O coração brasa
A mão persegue

A mente tenta
Razão-paixão
Pensamento insustentável


o id é a força, que vai.
o superego é o reflexo, que volta.
no meio criado, o ego se estrutura.

Conflito


Às vezes a coisa, solta,
Pega em algum calo esquecido.
Vibração raiz,
Turbilhão em acontecimentos internos.

Não se percebe a causa;
O efeito tem autonomia.

O refletir é inútil,
A redenção é inevitável,
A vida se faz.

A briga, apesar,
Não existe.

quarta-feira, 11 de setembro de 2013

A raiz


O valor filosófico da esfera.
A inefabilidade do vazio.
A (im)presença do ponto.
A (im)possibilidade do infinito.

quinta-feira, 9 de maio de 2013

Contemplação



A contemplação não se faz,
Se recebe.
Desligar dos impulsos próprios
Para que o que se contempla pense
Em nosso lugar.

domingo, 7 de abril de 2013

Consciência



Na passagem do externo ao interno,
Em seu reflexo nos espelhos corticais,
A engrenagem do infinito gira.

Sendo o interno parte do externo,
O fluxo deságua em si próprio.
Formam-se as espirais,
Os números irracionais,
A moção tem a porta aberta.

Estes que na verdade não são número,
Mas convergências ao vazio.
Por isso infinitos logo inidentificáveis.

E aquelas que sempre existirão
Enquanto houver o tempo,
Pois são seu carimbo no espaço.

Gerada nesse movimento
E portanto intangível,
Pois não se pára o tempo,
A consciência será sempre mistério,
Talvez a origem de todos,
E acessível apenas na experiência.

sexta-feira, 22 de março de 2013

O Haver




"Resta, acima de tudo, essa capacidade de ternura,
essa intimidade perfeita com o silêncio.
Resta essa voz íntima pedindo perdão por tudo.
Perdoai: eles não têm culpa de ter nascido
Resta esse antigo respeito pela noite,
esse falar baixo,
essa mão que tateia antes de ter,
esse medo de ferir tocando,
essa forte mão de homem
cheia de mansidão para com tudo que existe.
Resta essa imobilidade,
essa economia de gestos,
essa inércia cada vez maior diante do infinito,
essa gagueira infantil de quem quer balbuciar o inexprimível,
essa irredutível recusa à poesia não vivida.
Resta essa comunhão com os sons,
esse sentimento da matéria em repouso,
essa angústia da simultaneidade do tempo,
essa lenta decomposição poética
em busca de uma só vida,
de uma só morte,
um só Vinícius.
Resta esse coração queimando
como um círio numa catedral em ruínas,
essa tristeza diante do cotidiano
ou essa súbita alegria ao ouvir na madrugada
passos que se perdem sem memória.
Resta essa vontade de chorar diante da beleza,
essa cólera cega em face da injustiça e do mal-entendido,
essa imensa piedade de si mesmo,
essa imensa piedade de sua inútil poesia
e sua força inútil.
Resta esse sentimento da infância subitamente desentranhado
de pequenos absurdos,
essa tola capacidade de rir à toa,
esse ridículo desejo de ser útil
e essa coragem de comprometer-se sem necessidade.
Resta essa distração, essa disponibilidade,
essa vagueza de quem sabe que tudo já foi
como será e virá a ser.
E ao mesmo tempo esse desejo de servir,
essa contemporaneidade com o amanhã
dos que não tem ontem nem hoje.
Resta essa faculdade incoercível de sonhar,
de transfigurar a realidade,
dentro dessa incapacidade de aceitá-la tal como é,
e essa visão ampla dos acontecimentos,
e essa impressionante e desnecessária presciência,
e essa memória anterior de mundos inexistentes,
e esse heroísmo estático,
e essa pequenina luz indecifrável
a que às vezes os poetas chamam de esperança.
Resta essa obstinação em não fugir do labirinto
na busca desesperada de alguma porta
quem sabe inexistente,
e essa coragem indizível diante do grande medo
e ao mesmo tempo esse terrível medo de renascer
dentro da treva.
Resta esse desejo de sentir-se igual a todos,
de refletir-se em olhares sem curiosidade e sem história.
Resta essa pobreza intrínseca, esse orgulho,
essa vaidade de não querer ser príncipe senão do seu reino.
Resta essa fidelidade à mulher e ao seu tormento,
esse abandono sem remissão à sua voragem insaciável.
Resta esse eterno morrer na cruz de seus braços
e esse eterno ressuscitar para ser recrucificado.
Resta esse diálogo cotidiano com a morte,
esse fascínio pelo momento a vir, quando, emocionada,
ela virá me abrir a porta como uma velha amante
sem saber que é a minha mais nova namorada."

terça-feira, 12 de março de 2013

Iluminação


Olhar que atravessa
Sorriso sem causa
Andar consciente
Respirar coerente
Pensamento sentido
Intuição permanente

Memórias quietas
Sentimentos estáveis
Amor incondicionado
Contemplação infindável
Felicidade implícita
Vitalidade inesgotável

Afastamento


Quando abri as portas da informação,
Dentro me arremessei.
Tanta perplexidade, a fé cega se fez;
Ilusões se misturaram na realidade aberta.
Tempo demorei para desatar seus nós.
Mais tempo levei para voltar à confiança,
E mais ainda para aceitar a ignorância.

O entendimento foi elevado,
Mas trouxe consigo algo:
A solidão.
Tentativa de transmissão falha,
Olhares vazios.
Quando enfim provoco alguma intuição,
Esta é somente um ou poucos fios,
Insuficientes para o tecer da malha.


O intangível


Palavra instável;
Conceito fugaz.
Significado móvel;
Significante intocável.

A origem não se enxerga.
Somente até seus padrões primeiros se pode inferir,
Que por definição já são efeito.
A causa é vazia;
A unidade é negra.

A intuição, no entanto,
É o seu próprio florescer.
Ao crescer, ramos se espalham em camadas fluidas,
Luzes atravessam oceanos.

Perspectivas quânticas;
Semióticas infindáveis.
A singularidade é sentida,
Porém permanece impalpável.